Fix
13/04/2018

Projeto Arte Pública revitaliza muros de escola no centro de Suzano

Projeto Arte Pública revitaliza muros de escola no centro de Suzano

Artistas de Suzano e região farão pinturas especiais até domingo em um trecho da fachada da Escola Municipal Antonio Marques Figueira

Depois das pilastras do viaduto Leon Feffer, agora é a vez dos muros da Escola Municipal Antonio Marques Figueira, na região central, passarem por ações de revitalização do projeto Arte Pública, coordenado pela Secretaria de Cultura de Suzano. O trecho da estrutura na esquina das ruas General Francisco Glicério e Missionária Sara Cooper está recebendo pinturas especiais desde esta sexta-feira (13/04) e o trabalho deve se estender até domingo (15/04).

O projeto tem como objetivo a democratização das artes plásticas, disponibilizando-as em locais de acesso a toda a população. A iniciativa envolve um grupo de artistas locais e de outras cidades do Alto Tietê. No local, são realizadas pinturas que apresentam manifestações criativas ligadas tanto à cultura urbana quanto ao patrimônio histórico e cultural de Suzano.

A ação, que também integra o projeto de revitalização de espaços urbanos “Suzano Mais Bonita”, promovida pela Prefeitura de Suzano, tem como mote apresentar obras de arte como elementos de uma cidade mais humanizada, bonita e com espaços acolhedores, além de valorizar o trabalho artístico local com imagens em grande escala. Iniciado em 2010, o trabalho passou por uma revitalização no início de 2017.

O projeto Arte Pública é coordenado pela artista plástica Aline Baliberdin e, em março, realizou a revitalização do vão do viaduto Leon Feffer, com a criação de murais de 6 metros de altura. As obras são dos artistas urbanos José Carlos de Lima (Raça), Lásaro de Souza (Lob), Jhony da Silva, Racil Saraiva, Nicolas Hikaru (Niko), Fabiano Galdino (Oreia), Vinicius Mariano (Ripa), Jefferson Aracilli (Jecão) e Rondineli de Souza Costa (Neli).

Segundo o secretário de Cultura de Suzano, Geraldo Garippo, outros locais também participarão posteriormente do Arte Pública, entre eles o Complexo Educacional Mirambava, o Centro de Educação e Cultura Francisco Carlos Moriconi e a Associação de Moradores do Jardim Natal.