Fix
X

Error ao efetuar o cadastro tente novamente, ou mais tarde!

As informações foram enviadas com Sucesso.
Abriremos o documento em outra janela, Obrigado!

Para que seja possível fazer o download e a fim esclarecer dúvidas ou comunicar alterações sobre este documento, é necessário preencher o formulário.

Registro de Interesse no Documento
Dados para Contato
 

História

História

Como surgiu Suzano

Desde o século XVI já era conhecido o local onde hoje está situado o município de Suzano. Incursões a caça de índios ou de ouro já aconteciam com gente vinda do Litoral, de São Vicente (fundada em 1532), inicialmente. Depois, já com os povoados de São Paulo de Piratininga, São Miguel Paulista e Itaquaquecetuba, a região foi se tornando mais conhecida.

Em documento de delimitação da Vila depois conhecida por Mogi das Cruzes, de 1663, já temos citada uma “Estrada Real do Guaió”, por onde passariam todos os que viessem do Litoral ou de São Paulo para essa Vila. Essa estrada deveria passar ao sul da atual sede do município de Suzano, percorrendo passagem entre os rios Guaió e Taiaçupeba Mirim. Nessa região vieram a ser descobertos veios de ouro, que vão adquirir significativo relevo, sendo no tempo consideradas as lavras auríferas mais importantes da Capitania.

Nesse percurso da Estrada Real do Guaió, próximo à cabeceira do rio Taiaçupeba Mirim, uma paragem vai sendo conhecida desde os fins do século XVII. O local passa a receber mais gente e se torna um núcleo populacional conhecido por Taiaçupeba.

Na segunda metade do século XVIII já está identificada na comunidade a liderança do rico proprietário Antonio Francisco Baruel. É dessa época que o local, antes conhecido por Taiaçupeba passa a ser denominado pelo sobrenome de seu mais importante proprietário, Baruel. Cerca de um século depois a família desse nome terá desaparecido da região, mas ficará para sempre como designação do local.

A comunidade do Baruel aguardava na segunda metade do século XIX a passagem da estrada de ferro por ali. Com um movimento crescente de treze casas comerciais no local, consegue a instalação da primeira escola da região, uma classe de meninos, junto à Capela de Nossa Senhora da Piedade, em 28 de março de 1870.

Contudo, o início da construção da ligação ferroviária entre Rio de Janeiro e São Paulo vai se dar pela Companhia Ferrocarril em 1873 provocando uma alteração radical e definitiva do centro populacional de nossa comunidade. O trecho ferroviário entre São Paulo e Mogi das Cruzes é inaugurado em 6 de novembro de 1875, com uma primeira parada na região de Guaianases. Bem no centro dos oito quilômetros de ferrovia que cortam o atual território de Suzano, entre os rios Guaió e Taiaçupeba Açu, conhecido como Campos de Mirambava, foi construída uma segunda parada para o embarque de lenha. Essa parada vai ser chamada de Piedade, em razão da proximidade, uns dez quilômetros ao sul, e dada a importância do vilarejo de Baruel, com sua Capela à Nossa Senhora da Piedade.

É junto à Parada Piedade que o jovem feitor da ferrovia Antonio Marques Figueira vai construir sua casa, a primeira do local, terminada em 22 de maio de 1885. Figueira vai juntar-se a outros proprietários da região, o Major Francisco Pinheiro Froez, dono das Fazendas Boa Vista e Revista, ao Major Guilherme Boucault, líder político de Mogi das Cruzes, e ao Conde João Romariz, proprietário da fazenda que se localizava onde hoje é o bairro da Vila Amorim. Visavam fundar um arruamento junto à Parada Piedade. Romariz fez o desenho da futura “Vila da Concórdia”, que foi aprovada em 11 de dezembro de 1890, pelo novo Governo Republicano.

Em 11 de abril de 1891, depois da encampação da Ferrocarril pela Estrada de Ferro Central do Brasil, o povo local consegue que no lugar da sua humilde Parada seja inaugurada a Estação Piedade. Em 1894 é inaugurado o Posto Telegráfico.

Entrando no século XX, a estaçãozinha de madeira já mostrava sinais de sua precariedade.  Os trens já não mais demandavam lenha. O povo temia o pior, a desativação da estação. Os líderes locais foram então solicitar ao engenheiro da ferrovia residente em Mogi das Cruzes que construísse uma estação de alvenaria. O engenheiro Joaquim Augusto Suzano Brandão autorizou a construção, que em 22 de dezembro de 1907, teve em sua homenagem, a placa trocada de Piedade para Suzano. Mas é só a 11 de dezembro de 1908, dezoito anos depois da Fundação, que a Vila passou a chamar-se definitivamente Suzano.

Como seu crescimento foi natural, em 17 de dezembro de 1919, pela Lei Estadual nº 1.705, promulgada pelo então presidente do Estado, Dr. Altino Arantes, a Vila de Suzano se tornou Distrito de Mogi das Cruzes. Mas o ato oficial de instalação só veio a ocorrer efetivamente em 4 de maio de 1920, depois da nomeação três dias antes, do sub-prefeito Antonio José da Costa Conceição.

A criação da Paróquia de Suzano, apesar da tradição religiosa de seu povo, só veio a se concretizar em 8 de dezembro de 1940, por decisão do arcebispo de São Paulo dom José Gaspar de Affonseca e Silva.

No entanto só depois de muita luta e determinação de seus líderes é que foi finalmente conseguida a sua autonomia. Ela vem a ocorrer apenas em 24 de dezembro de 1948, com a promulgação da lei Estadual nº 233, assinada pelo então governador do Estado, Dr. Adhemar de Barros. As eleições para os primeiros vereadores e prefeito foi realizada em 13 de março de 1949. A posse deles foi realizada no Cine Suzano, localizado então na Praça João Pessoa, em 2 de abril de 1949. Essa foi a data escolhida posteriormente para as comemorações de aniversário da cidade.

A criação da Comarca de Suzano ocorre pela Lei Estadual nº 5.285, sancionada em 31 de dezembro de 1958, mas promulgada apenas em 18 de fevereiro de 1959, pelo então governador do Estado, Dr. Jânio da Silva Quadros. Mas a sua instalação só ocorrerá em 25 de maio de 1962, sendo seu primeiro magistrado o Dr. José Dourador.